29 de agosto de 2016

10 passos para a limpeza da sala

Se você seguir um roteiro de limpeza, certamente o trabalho será muito mais eficaz tanto em seu resultado quanto no uso do tempo. A sequência de passos ajuda a fazer o trabalho mais rápido. Vista uma roupa confortável, escolha uma boa seleção de música e faça o melhor que puder.


  1. Guarde tudo que está fora de lugar.
  2. Coloque objetos que ainda não tem lugar específico em sacolas ou caixas.
  3. Tire tudo do chão.
  4. Comece passando a vassoura (vassoura de pelo ou mop) do alto para baixo e em sentido horário do ponteiro do relógio. Eu prefiro usar o mop para não espalhar pó para todo lado e sujar mais que limpar.
  5. Depois espane (mop de microfibras) o ventilador de teto, o ar condicionado, o topo das estantes e armários e demais superfícies altas. 
  6. Tire o pó das cortinas e da mobília.
  7. Passe lustra-móveis.
  8. Passe o aspirador de pó no piso.
  9. Passe um pano úmido.
  10. Recoloque os objetos no lugar.

27 de agosto de 2016

Verduras lavadas duram até 7 dias na geladeira

Salada pronta para a semana toda


O segredo para que a verdura lavada dure uma semana na geladeira é guardar as porções em sacos plásticos heméticos com um pouco de ar. Elas duram muito mesmo. Porções menores evitam abrir todo o pacote cada vez que for preparar, além de ocupar menos espaço na geladeira. Sem falar na praticidade de chegar e encontrar uma salada pronta para consumir quando quiser.




Confira como faço em casa:
  • Compro verduras da época de preferência as orgânicas.
  • Escolho, separo as folhas amarelas;
  • Lavo folha por folha (frente e verso) em água corrente, a partir do talo para as bordas, para garantir a limpeza e a retirada da matéria orgânica;
  • Preparo uma solução clorada para a desinfecção (1 colher de sopa rasa de água sanitária para cada litro de água).
  • Deixo as folhas mergulhadas nesta solução por 20 (vinte) minutos;
  • Enxáguo bem em água corrente;
  • Escorro bem e guardo em saco plástico hermético para alimento; 
Procuro lavar todas as verduras antes de levar a geladeira. Na hora de preparar a refeição o processo fica muito mais rápido.  

24 de agosto de 2016

Ombro congelado ou capsulite adesiva e paciência

O pior já passou, com um pouco de paciência retorno as atividades normais antes do verão. 


As doenças que atingem as articulações causam dor e limitam os movimentos. É o caso da capsulite adesiva, popularmente conhecida como “ombro congelado”, uma doença causada pela inflamação na cápsula articular do ombro.

A causa da capsulite adesiva está relacionada à fatores genéticos e à reações auto-imunes, mas não se conhece exatamente como ela é originada. Sabe-se que ela é muito mais frequente em pacientes com doenças hormonais, como o diabetes e as doenças da tireóide (hipo ou hipertireoidismo), mas pode ocorrer em indivíduos sem essas alterações. A boa notícia é que a capsulite adesiva tem cura, mesmo sem tratamento. O problema é que isso pode levar muito tempo e a dor e as limitações podem ser significativas nesse período.

Sintomas – Em geral, a dor começa suave, como se houvesse dado um mal jeito no braço, mas os movimentos ainda são normais. Com o passar dos meses, a dor se intensifica. Em seguida, inicia-se a fase da rigidez ou congelamento, em que há uma perda progressiva dos movimentos do ombro. “O braço fica curto. O paciente não consegue alcançar locais altos, colocar a mão nas costas para prender o sutiã ou mesmo pentear os cabelos”. A fase de rigidez pode durar até um ano ou um ano e meio. Por último, vem o descongelamento, com uma duração muito variável, em que o movimento do ombro melhora progressivamente, a partir da desinflamação da articulação.

Diagnóstico e tratamento – Na maioria dos casos, o diagnóstico chega tardiamente. O sintoma de dor, na fase inicial, pode ser confundido com o de bursite, tendinite ou síndrome do impacto. Estes foram meus sintomas iniciais, porém, por meio dos relatos e do exame físico e alguns exames, o ortopedista Dr. Axel Werner Hulsmeyer chegou ao diagnóstico da capsulite adesiva. O tratamento adotado foi não operatório, apenas com anti-inflamatórios, relaxante muscular e paciência, embora outras medidas poderiam ser realizadas.

Fontes: maurogracitelli.com/blog/capsulite; hospitalmoriah.com.br. Créditos da foto 

17 de agosto de 2016

Casaquetos, cardigãs e sueters

Aproveitando o inverno e o novo estímulo para fazer crochê, estou fazendo algumas peças para meu guarda-roupa.



Ontem dei uma olhada em meus casaquetos. Até poucos dias atrás estava me queixando da falta de agasalhos e resgatando algumas peças que havia separado para doação já que ainda não havia comprado novas para substituir.

Peguei um casaco bege desmanchei e fiz uma boina, que ficou show, linda mesmo e o casaco, com algumas modificações e acabamentos virou um casaqueto bem estiloso.  O casaqueto é um casaco mais curtinho. As mangas são fofas, estilo princesa. Ele dá um ar bem feminino ao visual.

Ainda em processo estão mais duas peças, um suéter e um cardigã. Suéter é uma peça fechada,  muito confortável que poderá compor com várias peças pretas que tenho no guarda-roupa. É a blusa pérola que vai aquecer os braços e o tórax e deixar alguns looks bem confortáveis. 

A outra peça é um cardigã violeta. O cardigã ainda é a febre deste inverno, seja curto ou maxi, surgiu em homenagem ao conde de Cardigan, que chefiava oficiais britânicos na guerra da Criméia. O cardigã fazia parte dos uniformes da tropa. Na década de 1920, Coco Chanel propagou a peça para o vestuário feminino. O cardigã normalmente tem um decote em V, botões na parte frontal e é feito de tecido leves de malharia retilínea, como um tricô bem fininho, para climas amenos fazendo na maioria das vezes sobreposições a outras peças. Possui abertura frontal com zíper ou botões e geralmente possui manga comprida.

Quando eu terminar, trarei algumas fotos aqui.

Crédito da foto

15 de agosto de 2016

Sem medo de ousar

Mudanças no layout do blog Agenda de Casa! Afinal, são mais de doze mil curtidas na Fanpage Agenda de Casa.  Obrigada a todos que nos acompanham!




Estimulada por tudo isso, resolvi mexer sem medo de ousar. É incrível como nos cansamos da mesma imagem no mundo digital. As coisas mudam tão rapidamente nesse meio, que as vezes é preciso ser sutil para perceber as nuances da mudança.  

Geralmente, é preciso um pouco mais de coragem  para desfazer o que está feito e começar de novo, mas se não tentar, jamais saberemos se ficará bom. 

Então mudei, aproveitei a chuva da segunda-feira de manhã e a melhora da crise de rinite alérgica, modifiquei alguns detalhes. Dá um trabalhão quando não somos experts no assunto mas, quando vemos o trabalho concluído dá uma grande satisfação.

Por hora, gostei do resultado e você?

Créditos da foto
Voltar ao topo